quarta-feira, 20 de agosto de 2014

SINTRA: DEMITAM-SE OS RESPONSÁVEIS!

A BELA SINTRA NÃO PODE SER ASSIM ENXOVALHADA

Foram ultrapassados todos os limites da tolerância: - Aprovadas regras e instalada a sinalização adequada. Cumprindo-se seria o fim das imagens degradantes.

Mas - e aqui fica a frequente pergunta - a quem incumbe zelar, em primeiro lugar, pelas disposições municipais? Aos cidadãos? Aos especialistas no bloqueio de viaturas? À legítima autoridade que tem a Vila de Sintra como zona de actuação?

Independentemente da pergunta, há na estrutura camarária um corpo municipal que deveria já ter actuado e, se não tem condições ou disponibilidade, se não pode cumprir, então acabe-se com ele porque seria uma significativa poupança financeira.

Tem de haver responsáveis

As imagens que seguem - (de ontem e hoje antes das 7 horas da manhã - são um enxovalho para Sintra, ofendem a História, envergonham as suas gentes. Chocam mais pela manifesta indiferença de quem deveria prevenir para que não existissem.

(Parque do Urbanismo-Ontem ao final do dia, tudo preparado para a noite, apesar da sinalização)

(Parque do Urbanismo-Ainda ontem ao final do dia)

HOJE - 6,50 da manhã - Parque do Urbanismo

HOJE - 6,50 da manhã - Parque do Urbanismo

HOJE - 6,50 da manhã - Parque do Urbanismo

HOJE - 6,50 da manhã - Parque do Urbanismo

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto (Note-se a matrícula viciada no País)

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

HOJE - 7,00 da manhã - Parque do Rio do Porto

Não são precisas muitas mais palavras além de que os responsáveis não assumiram as funções em que foram investidos. Demitam-se já. 

Sintra não pode estar sujeita a esta indigna amostra, a esta progressiva degradação, porque depois de tomadas medidas elas não são cumpridas.



Breve Nota:

Que meditem quantos lutaram contra um parque de estacionamento na Volta do Duche (eu incluído) mas que hoje se silenciam.

24 comentários:

Pedro Sena disse...

Quais imagens degradantes? para mim Sintra não é só para ser visitada só pelos ricos que podei pagar hotéis onde por uma noite paga-se mais de 100€. Sintra é para ser visitada por todos, e sei qualquer descriminação, que é um crime constitucional.

Fernando Castelo disse...

Caro Pedro Sena, poderia não ter publicado o seu comentário, o que seria uma deselegância da minha parte. No entanto, seria bom não misturar o direito e o gosto a se visitar Sintra, com as imagens que apresentei ainda desta manhã. Claro que, a mim, chocam, pelo que escreve, ficam-lhe bem.
Fernando Castelo

Zeppelin disse...

Quais são as alternativas às pessoas que visitam e querem passar a noite em Sintra?

ST disse...

Caro Fernando, não tem razão no que diz, principalmente no que chama de imagens degradantes. Tal como muito bem indica o senhor Pedro Sena viajar e visitar Sintra não é só coisa de rico. Portanto fica muito mal da sua parte condenar este tipo de práticas e indicar que certos senhores se devem demitir só porque existe alguns turistas que aproveitam o parque público para dormir.
Este tipo de práticas não deviam ser condenadas, afinal de contas nós como cidadãos livres, deste país ou não, temos o direito de dormir aonde quisermos, nas ruas públicas e parques públicos, aposto que ninguém o condena quando adormece no banco do parque.. Portanto como podemos condenar estes indivíduos?
Considero que este seu artigo mostra malícia e intransigência.

nuno cabeca disse...

Se pesquisar o preço de compra de algumas desta caravanas ou mesmo do aluguer, verificará que dará para passar uma boas noites no Tivoli ou nos Seteais - estes comodistas podem ser tudo menos pobres - as autoridades podiam ganhar com esta situação se tivessem criado infraestruturas própria com cobrança da respectiva taxa.

Nuno Agostinho disse...

Caro Fernando..

Como pode verificar..

Canalizou a sua energia a perseguir os campistas... esforçou-se por que a CMS tomasse açoes contra estas pessoas...

E... atingiu o seu objetivo, as proibições foram colocadas... Resolveu?

Ou seja..

A energia que despendeu a perseguir estas pessoas que desejam somente visitar Sintra deveria ter sido noutro âmbito.

Em vez de exigir que a CMS reprimisse estes visitantes, devíamos sim exigir (eu tb me coloco neste grupo e já comecei a tomar açoes nesse sentido) que existam condições para que os campistas / caravanistas / auto caravanistas possuam usufruir da vila em condições, com regras e evitando abusos...

Talvez agora possa contar com a sua ajuda no sentido de atingirmos esse objetivo e dignificarmos Sintra onde TODOS os visitantes devem ser bem vindos!

Cumpts,

Nuno Agostinho

Anónimo disse...

Senhor Castelo, tambem me parece que acamparem em jardins publicos não seja o melhor exemplo nem que tais factos dignifiquem Sintra.Tambem me parece que se existem regras estabelecidas e devidamente identificadas atraves de sinalização é um mau principio não as fazer cumprir.Mas enfim, se calhar tudo ao molho e fé em Deus , para uns, é sinal de abertura de espirito. Com muitos espiritos tão abertos qualquer dia ainda vamos ter festival ( rave ) em Sintra do genero daquele que aconteceu recentemente no alentejo em que a GNR teve que correr com eles.Como alguns dizem, o que é preciso é que nos visitem não importa como.

Cumprimenta

João Paulo Figueiredo

Nuno disse...

Já agora e no seguimento de vários links que tenho tido o prazer de partilhar...

" GNR expulsou na passada sexta-feira os autocaravanistas que estavam estacionados em Silves e os estabelecimentos comerciais da cidade ressentiram-se.

A medida, levada a cabo pelo Núcleo de Proteção Ambiental da GNR, caiu mal junto dos comerciantes silvenses e mereceu críticas por parte da Câmara de Silves, que se comprometeu a «reverter a situação, promovendo a criação de condições adequadas para a instalação de um parque público de autocaravanas na cidade de Silves».

A autarquia admite que os autocaravanistas estacionados na Fissul e no espaço de Feiras e Mercados não estariam no local ideal, mas considera a medida da GNR «drástica».

Até porque, assegurou, «nos últimos tempos, a autarquia, em conjunto com a GNR, vinha desenvolvendo ações de sensibilização pedagógica junto dos autocaravanistas, no sentido de os persuadir a deslocarem-se para parques limítrofes com condições apropriadas, mas permitindo ao mesmo tempo que permanecessem junto à FISSUL, respeitando determinado conjunto de normas».

Noticia publicada em Fev. 2014:
http://www.sulinformacao.pt/2014/02/expulsao-dos-caravanistas-de-silves-deixa-esplanadas-da-cidade-vazias/

é isto que se deseja para Sintra?

Expulsar os auto caravanistas? Pergunto ainda... o único parque das imediações (1º de Dezembro) tem capacidade para albergar estas auto caravanas todas? (não, não tem!)

Portanto e como o caro Fernando me indicou há algum tempo vou aproveitar as suas sabias palavras... Convém meditar nos problemas e nas suas soluções...

Cumpts,

Helena Coelho disse...

A verdadeira vergonha é não haver em Sintra condições para a prática de caravanismo e campismo próximo das zonas históricas e/ou de transportes.

Jose Albuquerque disse...

Qual o problema de visitar Sintra acampando? A unica imagem degradante que vejo e' a de uma casa devoluta abandonada ao lado dos campistas.

Anónimo disse...

Imagens degradantes?! Enxovalho?! Envergonham as suas gentes?! Mas quais gentes? A mim, nascido e criado em Sintra não me envergonham nada.

Daniel disse...

Não vejo problema, desde que mantenham as áreas limpas etc

Anónimo disse...

Uma e o direito a visitar outra e cumprir a lei ao nive pessoal e institucional ha um deficit enorme em desempenho no nosso pais

Fernando Castelo disse...

Ora então vivam todos em geral, os que se conhecem e passaram a palavra e os outros. Tenho poucas palavras, nomeadamente pela "malícia" que um entendeu atribuir-me; ou por podermos dormir em qualquer lado, talvez fruto de um direito; há quem durma debaixo de pontes e se sinta feliz; há quem gostaria de dormir com o devido conforto. Há quem goste de não ter casas de banho ou sanitários; quem se goste de rebolar pelo chão; quem durma ao monte; são gostos. Gostos que muitos de vós aprovam. Pelas fotos hoje publicadas temos o espelho de muitos. E é interessante que até haja quem entenda que estamos perante uma mais valia que devia ser aproveitada e estimulada. Nisso, não contem comigo.

Celso L. disse...

Boa tarde e desde manhã que estas fotos me estão a embuchar por que o que mais mostram é porcaria como aquelas latas para cães ou gatos comerem e não devem ser poucos depois a dormir na relva devem ser homens e mulheres ou rapazes e raparigas porque não percebo bem tudo gente asseada que deve ir buscar água ao ribeiro para se lavarem pelo menos por cima.So escrevo porque acabei de ler tantas opiniões a dafender uma coisa que na maior parte dos sitios é proibido a bem dos próprios. Está o sr. preocupado deixe andar que um dia estoira e depois a culpa vai ser de toda a gente menos deles).

ACruz disse...

É ou não proibido? Se sim onde anda a policia municipal provalvelmente em alguma patuscada ou abordar comerciantes e/ou automobilistas mais descuidados.
Simples muito simples quem faz isto sabe bem que é proibido (nos seus paises não o fazem, mas como está em Portugal sabe o pode fazer, enfim.....falta de cidadania.

Fernando Castelo disse...

Caro Celso, que coisa foi buscar para esta situação: higiene!!! Veja bem, isso é um absurdo porque todos têm direito - tal como dormir onde querem - a não se lavarem, fazerem necessidades para a ribeira ou para a relva. A sua opinião torna-se quase absurda se considerarmos o que por aqui tem sido escrito por alguns (ou quase os mesmos?) intervenientes. Cumprimentos

Fernando Castelo disse...

Caro ACruz, a sinalização, que concretizou uma decisão camarária, está em vigor. Realmente é estranha a ausência. Creia que estou muito preocupado. Cumprimentos

António Luís Lopes disse...

Caro Amigo Fernando Castelo, realmente há coisas que só lidas. Alguns comentários aqui colocados na DEFESA do que é indefensável demonstram bem o quanto se degradou o conceito de cidadania. Por este andar ainda havemos de ver alguém a defender o estacionamento de caravanas e montagem de tendas na Praça de S.Pedro, em Roma - afinal os "pobres" também terão direito a visitar o Papa, mesmo sem ter recursos para pagar o hotel, não é verdade?... Enfim... Diz alguém que a verdadeira vergonha é não existirem equipamentos para a prática de caravanismo ou campismo em zonas próximas - é verdade. É uma vergonha que não foi resolvida nos últimos DOZE ANOS, com a gestão anterior da CMS, será que deveria já estar "resolvida" por quem lá está há menos de 1 ano? Pois... Uma coisa é certa: não é a ausência de alternativas que legitima o incumprimento da lei ou a "bagunça". A não ser no Terceiro Mundo - mas certamente não será esse o "modelo" que pretendemos para uma zona que faz parte do Património Mundial da Humanidade. Um abraço.

Anónimo disse...

Sr Castelo, estive mesmo para nada escrever mas lá vai. Começei a ler o seu artigo e de seguida os comentarios. Confesso-lhe que às tantas já estava a duvidar da sua razão. Momentos tive que já achava que o correcto é estacionar onde é proibido , dormir em saco cama onde bem apetecer seja no meio de um jardim ou num passeio e tambem achava que correcto mesmo era montar uma tenda de campismo onde bem apetecesse a quem nos pretende visitar, seja tambem no alcatrao, na relva ou em jardins da nossa terra. Contudo, no final, fez-se luz e conclui que estava a seguir o caminho errado. Sr Castelo, não obstante comentarios diferentes, prevalece a sua lucidez , leitura e interpretação destes actos.Tem toda a razão, é oportuna a sua chamada de atenção e é totalmente repreensivel a incapacidade dos orgaos competentes lidarem com este tipo de situações.Há quem defenda esta anarquia, pois bem, fiquem com ela. Aos 42 anos, nascido em sintra, espero daqui a dois meses já estar a morar em Lisboa.Só espero que não passem a acampar no parque Eduardo VII e os Lisboetas venham dizer que é bom para Lisboa e que até lhes dá muito orgulho.Enfim...

Com estima,

Eduardo Lima

Anónimo disse...

É vergonhosa a fobia que muita gente tem contra o autocaravanismo,que incomodo causa estacionar um ou dois dias num estacionamento publico? Se for outro tipo de veiculo ninguem diz nada,se as pessoas deixarem os espaços da mesma forma como os encontraram prejudicam alguem? A montagem de tendas nestes espaço considero de facto um abuso e deveriam ser penalizadas. Em relação ás auto caravanas suspeito k existe um sentimento de inveja disfarçado nos comentarios e nas acções praticadas em algumas autarquias deste nosso desgovernado país...Luis Martins

António disse...

Depois de ver as fotos e ler os comentários até este momento, não é muito fácil adiantar muito mais, mas mesmo assim vou arriscar. 1º Sintra não pode continuar a ignorar a sinalética de referência do Código da Estrada, se os mesmos proíbem é para todos cumprirem,não temos aqui uma Republica das bananas onde cada um faz o que lhe dá na gana, na Heliodoro Salgado ninguém cumpre, no parque do Urbanismo ninguém cumpre, no Rio do Porto ninguém cumpre, então que bagunça é esta? Por menos já fui penalizado duas vezes em Sintra. 2º Fui contratado para trabalhar num país durante três anos, a primeira coisa que me disseram quando cheguei foi; esquece o teu país porque aqui tens de cumprir as nossas Leis, senão vais recambiado. 3º Quanto ao campismo selvagem acho que já foi banido em Portugal. Hoje não pratico mas já fui campista encartado pelo INATEL e FPCC, e as imagens degradantes que aqui vejo acho que não dignifica nem os Campistas nem os Autocaravanistas, não são estas as boas práticas de quem ama esta forma de vida salutar. 4º O não ter parques em Sintra só pode ser culpa da CMS se esta travar o licenciamento pedido por alguma entidade para a sua concretização. Entendo que a Federação Portuguesa de Campismo e Caravanismo poderia ter uma palavra a dizer sobre esta matéria. 5º Também não entendo muito bem o estranho silêncio da Associação de Defesa do Património de Sintra, em Defesa do Património, Volta do Duche, será que tudo isto lhe passa ao lado e nada lhe diz?

Papa Léguas Portugal disse...

.

A Câmara Municipal de Sintra (ou qualquer Câmara Municipal) ao proibir o estacionamento e/ou o trânsito a autocaravanas e/ou caravanas está a discriminar negativamente estes dois tipos de veículos.

No que às autocaravanas respeita é legítimo o seu estacionamento e circulação em igualdade de circunstância com outros veículos de igual gabarito. Proibir apenas as autocaravanas é um acto de discriminação negativa.

A Câmara Municipal tinha todo o direito e obrigação de proibir que as autocaravanas acampassem em qualquer local não autorizado. E o que é acampar em autocaravana?

A Declaração de Princípios, subscrita pela Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal, é muito clara nesta definição:

“Considerar, com todas as consequências daí inerentes, que ACAMPAR é a imobilização da autocaravana, ocupando um espaço superior ao seu perímetro, em consequência da abertura de janelas para o exterior, uso de toldos, mesas, cadeiras e similares, para a prática de campismo.”

E, mais adiante essa Declaração refere:

“Considerar que o ato de acampar, conforme é acima definido, só é permitido (e assim deve continuar) em locais consignados na Lei e, consequentemente, salvo exceções, também consignadas na Lei, é proibido na via pública, independentemente da hora a que ocorra, devendo, na salvaguarda do interesse público, ser penalizado.”

Mas, essa Declaração, afirma ainda:

“Considerar que é lesivo da igualdade de tratamento a que todos temos direito a existência de diplomas que legislem de forma discriminatória, impedindo especificamente o veículo autocaravana de estacionar onde outros veículos de igual ou semelhante gabarito o podem fazer.”

Nem a Câmara Municipal, nem quem apoia as medidas discriminatórias negativamente promulgadas, estão corretos, pelo que, as medidas tomadas não são motivo de alegria ou satisfação, mas antes de tristeza e vergonha pelo não respeito pelas normas constitucionais contrárias à discriminação negativa dos cidadãos.

A Declaração de princípios pode ser lida no seguinte endereço:

http://cpa-autocaravanas.com/upload/CPA%20-%20declaracao%20de%20principios%20-%20portugues.pdf

Fernando Castelo disse...

Desde a primeira hora que a solução encontrada para esta situação, ao nível da sinaléctica, não se me afigurou a mais indicada. Mas, quem sou eu, perante tão categorizados técnicos?
Na realidade, há sinais específicos que deveriam ser colocados e não estes.
Tem razão o papaléguas: veja que com tanta legislação não foi proibido o caravanismo na Volta do Duche!!!
Daí que retome a minha questão principal: HÁ RESPONSÁVEIS PELA MÁ SOLUÇÃO? HÁ RESPONSÁVEIS PELA NÃO OBSERVAÇÃO DO QUE FOI SINALIZADO? ENTÃO PORQUE NÃO CUMPREM? DEMITAM-SE.
Cumprimentos