quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

BOAS FESTAS - A NOSSA ÁRVORE


Neste Natal que se aproxima, como seria bonito que cada um apresentasse uma das árvores que ao longo da vida plantou, associando-a aos Votos de Boas Festas.

Para nós, para muitos de nós, são a maior riqueza que pudemos dar à sociedade onde um dia, por força do nascimento, fomos integrados sem nos inquirirem da vontade. 

É pois nas árvores que muitas vezes nos revemos, porque elas nos dão sempre algo gratificante, que nos alegram e ocupam nos momentos bons e maus da vida.

De tantas árvores que plantámos - algumas todos os dias revemos - este azevinho merece um especial carinho todo o ano com destaque especial na Quadra Natalícia.

Gostamos das suas folhas que picam...mas não magoam. Meditamos ao apreciar as suas bagas tão vermelhas e apetitosas que nos desafiam a comê-las se não soubermos o sofrimento que podem causar por serem altamente tóxicas.

Plantámos por esta altura há 20 anos. Hoje tem quase 5 metros de altura

Com previsão de vida em cerca de 100 anos, ele será a recordação viva de outras quatro gerações de pessoas que o apreciarão sem se lembrarem de quem o plantou. 

É a vida. 

Um azevinho que nos enche e aquece o coração nestes dias de Festas. 

Desejando a todos que tenham Boas Festas.


Breve nota: O azevinho espontâneo, existente nas florestas, é uma espécie protegida pela Lei 423/89, pelo que o seu corte e venda são punidos.  

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

SINTRA...DESEMPREGO E MEIA-INFORMAÇÃO CAMARÁRIA

Quem passar pelo site da Câmara Municipal de Sintra, pode correr riscos de ficar iludido, caso não consulte melhores fontes (por favor clique para rever). 


Em simultâneo, não admiraria que um ou outro entertainer mais ousado fizesse a exaltação de tamanhas virtudes na redução do desemprego em Sintra, porque a notícia quase sugere um resultado fantástico, certamente devido a medidas sem paralelo...

Um dado a ter em conta é que grande parte dos sintrenses (se não a maior parte) desloca-se para concelhos vizinhos onde se encontram os seus postos de trabalho. A corroborar isto, os milhares que ocupam comboios e entopem as vias rodoviárias. 

Outro dado, as grandes superfícies apresentadas como fontes jorrando empregos (os políticos são uns exagerados...) vão reduzindo cada vez mais os postos de trabalho.

Isto é, a eliminação de postos de trabalho no pequeno comércio que foi destruído, não foi compensada com mais postos de trabalho nas grandes superfícies.

Voltemos ao aparente brilharete camarário

"Desemprego desce em Sintra"...grande título que omite dados relevantes, nomeadamente que no período em análise o Desemprego desceu em todo o país. 

Mas a notícia do site oficioso da Câmara (aliás que apenas está ao serviço de uma parte dos nossos representantes, já que a Oposição não tem lá espaço) não diz mais.

Não diz que no período citado (Outubro de 2013-Outubro de 2016) o Desemprego reduziu a nível Nacional 30,127%, enquanto que em Sintra ficou pelos 28,742% !!!!

Para ajudar a compreender, em Outubro de 2013 Sintra tinha 3,1519% (20775 desempregados) do total Nacional e em 2016 eram 3,214% (14804 desempregados), pelo que a quota-parte sintrense em vez de reduzir ou manter-se aumentou.

Mais um dado que o site não refere num trabalho fraco em que só serve o título: Em Outubro de 2013 havia um equilíbrio entre Homens e Mulheres (49,17% - 50,83%) que se modificou significativamente em 2016 (44,8% - 55,20%), sem que fosse citado. 

Terá Sua Excelência o Presidente da Câmara pensado melhor nestes números antes de serem publicitados? Quem fez o trabalho de casa que seria devido? Quais as razões do aumento em  4,37% de Mulheres Desempregadas?

"Desemprego desce em Sintra", tal como apresentado pode ter várias interpretações que Sua Excelência, certamente desejoso da maior transparência, não aprovará. 

Esperemos melhores dias, em que um prometido Plano garanta melhores conteúdos...


Nota: esperemos que não venham falar dos últimos 12 anos sobre este tema


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

SINTRA...A CAMINHO DA "SEMANA DO AUTARCA SEM CARRO"?

"Quando disseram ao hipopótamo que iam prender os animais com boca grande, ele logo exclamou: - Coitadinhos dos crocodilos", histórias da selva  

A catadupa de anúncios de pendor eleitoral, de planos e protocolos, caminhos que dizem ser mas não são, permite sugerir um grande evento: "Semana do Autarca Sem Carro".

Suportamo-nos em declarações atribuídas ao Presidente da Câmara de Sintra segundo as quais a Câmara "está "satisfeita" com oferta de transportes". Isto é, a satisfação transcende a opinião pessoal para ser camarária. Assim era em 4 de Marco de 2016.

Certamente melhor esclarecido sobre os transportes em Sintra, em Novembro, numa entrevista ao programa Carla Rocha - Manhã da Renascença, sem alusões à satisfação sintrense...falaria sobre “as Linhas de Cascais em termos de ferrovia”.

Não sabemos se Sua Excelência contou as vias descendente e ascendente. Podemos dizer que, para nós, foi uma verdadeira lição, pois somos do tempo de uma só linha.

A diluída preocupação com os transportes em Sintra, nomeadamente rodoviários, poderia levar a que louvássemos Sua Excelência pela obra realizada nesse campo.

Apesar disso, sem melhores ou privilegiadas informações, é nossa convicção de que não estaremos longe do anúncio da "Semana do Autarca Sem Carro Oficial", uma meritória e ajustada iniciativa pelos efeitos reais e colaterais expectáveis.

Um primeiro efeito, de ordem ambiental, sentir-se-à pela pegada de carbono, para cujo cálculo uma empresa de capitais públicos poderá disponibilizar alguns monitores.

Como não estará em fase pré-eleitoral, Sua Excelência e anónima comitiva poderão adquirir bilhetes em máquinas complexas, avaliar acessos, saltar em transferes a meio do percursos, vestirem a pele dos passageiros que todo o ano utilizam os comboios.

Em dois ou três dias, Sua Excelência, disfarçado para não saberem quem é, poderá entrar em algumas carreiras de autocarro, comprar bilhetes no motorista (tantos quantos os transbordos) para rapidamente esvaziar a carteira. Uma experiência inolvidável...

Noutro dia, Sua Excelência (promotor do turismo e imbuído do desejo de bem receber quem confia no destino Sintra) não perderá a experiência única de - de pé e aos tombos - Serra acima, na carreira 434 (uma mina) sentir o que é oferecido aos passageiros.

Se Sua Excelência tiver pernas robustas, poderá ainda fazer a pé alguns trajectos que muitas crianças fazem com mochilas às costas, ou de pais empurrando carrinhos com bebés em grandes distâncias, pois a transportadora só faz as carreiras que entende.

Receamos tratar-se do mesmo operador que, como disse, "tem sido sempre correcto connosco". Este "connosco" será a Câmara Municipal, não os utentes rodoviários.

Obviamente que, para redução de custos e face à satisfação, a partir dessa semana todos os Autarcas e Altos Quadros poderão usar passes combinados nas deslocações.

Recordar a experiência de "Um Dia Sem Carros" em 2000

Depois do êxito de "Um Dia Sem Carros" em 2000, e tudo o que na altura foi proferido, a "Semana do Autarca Sem Carro" teria um êxito espectacular e projecção ímpar.

Em 22 de Setembro de 2000, esteve em Sintra o Ministro do Ambiente de então - José Sócrates - e tudo apontava para a sua repetição cada vez mais frequente.

Volta do Duche sem carros...e um medidor de ruído (foto do Jornal de Sintra - 29.9.2000)

Visita do Ministro do Ambiente e Largo em frente do Palácio (foto do Jornal de Sintra - 29.9.2000) 

O êxito foi enorme, com eventos culturais e desportivos preparados pela Autarquia.

No dia seguinte, a Presidente de então, bem conhecedora dos problemas de Sintra, avisava que voltaria a repetir a iniciativa. Em princípio todas as semanas e que aos Domingos pretenderia libertar de trânsito o Centro Histórico.

Em 2001, o então Vereador do Turismo e, actualmente, Vice-Presidente da Câmara, ao Jornal A Pena referia-se ao Dia Sem Carro em 14 de Fevereiro, Dia dos Namorados.


Página do Jornal "A Pena" em 2001

Nessa entrevista, abordava o Projecto MobilSintra, com o empreendimento SisSintra que visava criar alternativas para evitar que a Vila seja um nó na rede rodoviária.

Entre outras soluções, o SisSintra do Ramalhão a Santa Eufémia teria um teleférico; o eléctrico ligaria a Ribeira à Vila Velha; um troço pedonal de Santa Eufémia à Pena.

Disse na altura o Autarca que, do plano, constavam três interfaces: Portela, Ramalhão e Ribeira e, ainda, três Parques de estacionamento (dois no Ramalhão e um na Ribeira).

Ao relermos toda a entrevista, pode dizer-se que já estava tudo inventado e com um Sintrense a saber das linhas com que se podiam resolver as questões prementes.

A "Semana do Autarca Sem Carro", ao terceiro ano deste Executivo sem capacidade para resolver problemas já inventariados em 2000 e 2001, poderia ser o pontapé que falta para as indispensáveis soluções de trânsito e acessibilidades em Sintra.

Porque no Executivo temos um Sintrense que há 16 anos conhece os problemas e, quem os não conheça, bem possa vestir a pele dos que os sofrem todos os dias.

Que bom seria os Autarcas de Sintra falarem dos transportes em Sintra.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

ESBIRROS E ESPIÕES...AO SERVIÇO DO SILENCIAMENTO

Tudo indica que as notícias são devidamente controladas. Virtuosos espiões, justificando o seu preço, percorrerão avidamente tudo o que são críticas, comentários ou desabafos, não vá alguma contestação ferir o bem estar ou os projectos do bem feitor.

E é preciso cuidado. Patifes sempre precisaram de seus lacaios, um desvio genético não curado devidamente, continuador de perseguições politicas e de opinião.   

Lembrei-me deles agora ao passar as mãos, respeitosamente, pelas bíblias da nossa biblioteca - Cadernos e Antologias da Seara Nova - cujos envelopes chegavam às nossas mãos abertos ou rasgados por espiões veneradores, atentos e obrigados.

Sabemos e não acreditamos. Sentimos o gosto pela ameaça..."ou calam-se ou..." 

Suas Excelências os poderosos devem ser bem servidos. Podem agarrar na mentira e esperar que uns tantos lacaios a tentem converter em verdade. 

Podem contar com poluidores encapuçados, alheios à construção de uma sociedade mais justa enquanto se dobram abotoando a camisa nos atacadores dos sapatos.

Não dormem os espiões, seja no Facebook seja em Blogues.

São poucos mas são a amostra da miséria de tudo isto. Rasgam o que se escreve, transportam as criticas para mostrar serviço, para que os discordantes se silenciem.

Fazem-nos pensar no que seria se tivessem mais poder.

A derrota de espiões e receptadores é não conseguirem calar.