segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

SINTRA...SINAIS QUE LEMBRAM OS "VELHOS CARNAVAIS"...

Este ano o Entrudo é cedo, a 13 de Fevereiro, havendo matéria para recordarmos os tempos da juventude e uma das partidas, no caso com uma paragem de autocarro.

Quatro ou cinco jovens faziam um suporte parecido com o da paragem e punham a placa indicadora de uma carreira. No passeio, com placa ao alto, formavam a fila que em breve contava com potenciais passageiros que aguardavam o autocarro.  

Quando o número de viajantes era razoável, abalava-se com o suporte e a placa, perante olhares incrédulos dos que tinham acreditado nas boas intenções rodoviárias.

A tenebrosa política da ilusão

Daí poder dizer-se que, há mais de um ano, foram colocados os sinais de trânsito que mostramos sem que até à data tenham sido postos em funcionamento.


Não se tratando - seguramente - de brincadeira de Carnaval, a que entidade se deve o brilharete da colocação de sinais...para não funcionarem?

Que responsável visou a despesa para a colocação dos sinais, sem posterior confirmação da execução da obra em conformidade com os objectivos esperados? 

Fizeram parte de algum projecto de propaganda de obras com custos significativos, dando nas vistas e criando ilusões como bibelots estradais?

Que justificações existirão para a parte pedonal também não ter sido acabada?

Tem perigos (para quem se preocupa, evidentemente...): - A paragem do autocarro dentro da via encobre aos peões os veículos que circulam na faixa esquerda e os condutores de veículos podem não ver peões que subitamente atravessem.

Quem terão sido os promotores de tal obra? Foi clandestina? 

E tanta gente responsável passa no local sem apreender no que está à vista?

Não pode ter sido brincadeira de Carnaval...mas parece.

Claro que não #é este o caminho" que Sintra precisa.






quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

SINTRA: TANTOS MILHÕES E TERCEIRO MUNDISMO ÀS PORTAS

Entre as Ruas do Carrascal e Casal Novo

Temos por certo que ninguém se disponibilizou para ajudar o Senhor Presidente da Câmara a aplicar umas sobras dos múltiplos milhões e resolver um grave problema.

Acresce que os milhões são património dos munícipes e, o que vamos apresentar, é um território municipal onde também moram pessoas que pagam seus impostos. 

Ou os serviços desconhecem o território (coisa que ofenderia D. Afonso Henriques depois de 864 anos de Foral) ou então ninguém liga a imagens terceiro mundistas.

Alude o Senhor Presidente a vários temas, de onde vivem as pessoas, de uns milhões a tantos meses, sem que aprecie e resolva uma parte da Matriz de Sintra.



Que pensará Sua Excelência desta amostra na União de Freguesias de Sintra?

Sua Excelência poderá notar que as vias têm nomes aprovados pela Câmara Municipal, há sinais de trânsito que não são falsos, que há residências e empresas.

Rua do Sol Nascente. Para quem? Antes do Poente das vidas que lá passam

Há pessoas - insistimos: pessoas - que pagam IMI e outros impostos, e para chegarem aos transportes públicos têm de passar por aqui... 


...E por aqui...


...E empresas cujos acessos são assim...


Sua Excelência não gostaria de ter a experiência inolvidável de fazer esta mesma caminhada a pé, descendo da viatura camarária que é suportada pelos munícipes?
  
É difícil conceber que nunca lhe tenham dito. Na União de Freguesia de Sintra não podem desconhecer a degradação destes caminhos, destas acessibilidades.

Então que visão do território é transmitida a Sua Excelência? 

Será à custa disto (e de outras situações encobertas a Sua Excelência) que depois nos falam de rácios de poupança e no amealhar de tantos milhões não aplicados?

Será este o "desenvolvimento sustentado", o suporte do "Mais perto de si" ou "Líder na eficácia financeira" entre outras lideranças? 

Isto que mostramos é Sintra no seu pior, no abandono, na ocultação, naquilo que qualquer um de nós não pode ver sem ter umas pegadas (a nova vocação) de vergonha.

Isto é um problema de TODOS os sintrenses e não apenas de alguns.

Sintra não merece ter imagens destas ao nível do terceiro mundo.

Fica para a História este aviso, esta manifestação de indignação. 






segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

SINTRA..."ISTO FUNCIONA"...AMBIENTE, SMAS E POLUIÇÃO

Em 28 de Marco de 2017, na nossa página no Facebook, mostrámos as fotos abaixo reproduzidas e nesse mesmo dia enviadas ao Exmo. Ministro do Ambiente num alerta para a devida actuação face às situações em que as descargas ocorrem: 

Descarga de um produto negro que assentou no fundo e os patos ao movimentarem-se levantavam 


Enviámos, também uma outra, por sinal bastante chocante, de poucos dias antes:


Tivemos o cuidado de alertar o Senhor Ministro para o facto do SEPNA da GNR dar seguimento para os SMAS de Sintra, a fim de serem feitas as devidas análises.

Se funciona? Então não havia de funcionar?

Em 27 de Dezembro (9 meses após o alerta) recebemos o gostoso  Ofício 3625 do "Secretariado de Apoio" ao "Senhor Chefe do Gabinete do Senhor Secretário de Estado do Ambiente" (assim mesmo...) cujo teor não resistimos a divulgar:
"Assunto: Poluição ambiental junto ao Jumbo Sintra
Na sequência do v/ E-mail de 28-03-2017, relativo ao assunto em epígrafe, informa-se V. Exa. que foi realizada uma ação de fiscalização ao local, não tendo sido verificada, de acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente, I.P  (APA) a existência de descargas e/ou escorrências para a linha de água existente. Foi ainda verificada a inexistência de caudal na linha de água a montante da zona do Centro Comercial existindo, no entanto, caudal a jusante. 
Mais se informa que foi solicitada informação ao SMAS de Sintra sobre as reclamações associadas a descargas de águas residuais na ribeira da Azenha, troço junto ao Jumbo de Mem Martins. O SMAS de Sintra esclareceu que tem vindo a efectuar o levantamento das linhas de água e respectivas bacias de drenagem, que confluem para a referida ribeira, bem como da rede pluvial associada; no decurso deste trabalho foram eliminados pontos de ligação indevidos de águas domésticas à rede pluvial. Adicionalmente, ainda de acordo com os SMAS de Sintra, têm sido executadas melhorias na rede de drenagem, encontrando-se prevista a implantação de outras medidas"
Mentirosos seremos nós...

A confiável Agência Portuguesa do Ambiente fiscalizou e não verificou a existência de "descargas e/ou Escorrências para a linha de água". 

Os SMAS de Sintra fala em "levantamento das linhas de água e respectivas bacias de drenagem", em "rede pluvial", "pontos de ligação indevidos de águas domésticas à rede pluvial" e "executadas melhorias da rede de drenagem". 

Sobre as descargas, nitidamente químicas pelo que se vê, a primeira não viu...a segunda fala de outro contexto, que não a análise das águas e de onde correram. 

Desta forma, fica-nos a convicção de que "Isto funciona", o "Ambiente" está bem protegido, as entidades que fazem as descargas estão rigorosamente fiscalizadas... 

Temos, pois, a "Poluição que merecemos", isto é, estamos protegidos.

Nós, isso sim, que alertamos, acabamos por ser tidos como mentirosos...

A sentida alegria de não sermos mentirosos



Em 13 de Outubro passado, depois de mais uma descarga feita nessa manhã, dirigimo-nos também aos SMAS, desta vez mostrando a boca de saída da poluição, para que não existissem dúvidas sobre a proveniência...nitidamente "não doméstica". 

Em 24 desse mês (apenas 11 dias depois) os SMAS informaram: "(...) estes Serviços tiveram conhecimento da referida descarga pela firma Resiquímica, no próprio dia da ocorrência da parte da manhã, via telefone, tendo sido identificado um entupimento na rede de colectores industriais, com um extravasamento para a rede pluvial (interna) e descarga na ribeira em frente ao Jumbo."


Caros visitantes, retirem as conclusões entre a informação da Agência Portuguesa do Ambiente (e fotos superiores) e dos SMAS (fotos de baixo). 

Será esta a imagem que devemos ter de como funciona a Defesa do Ambiente?




terça-feira, 2 de janeiro de 2018

SINTRA: ENTRE MILHÕES E TROPEÇÕES

Desde o "Monteiro dos Milhões" (comprou com dinheiro seu a Quinta da Regaleira) que não se falava em tantos milhões por Sintra (nossos e não dos Presidentes da Câmara ou da Parques de Sintra) destinados a projectos falados à abastança.

Num país há pouco saído do "Procedimento por Défice Excessivo" é chocante um município exibir tantos milhões a comprometer, até em contradição com outros municípios onde portugueses como nós atravessam as maiores dificuldades.

Num país com tantas e gritantes assimetrias, será justo alguém fazer redundância com os milhões assinalados, ainda por cima quando esse pecúlio foi conseguido em boa parte à custa de graves carências na manutenção do território?

Até onde irá a exibição ou que projectos desconhecidos rodopiam à volta de ambições pessoais? Tanta promessa redunda, muitas vezes, em casos ...cujo pecúlio ...não tem correspondência em várias áreas.

Por hoje não falaremos da história da dita Pousada da Juventude de Sintra e como se constroem milhões para futuro enriquecimento patrimonial alheio a Sintra. 

Não chamaremos o alcunhado hospital que não contará (a concretizar-se) com as valências tradicionais de um Hospital, grandes cirurgias, blocos e internamentos.

Vamos recordar a publicidade paga (patrocinada!) no Facebook em 7.11.2016:


De realçar os pormenores do rigor: aos 57 cêntimos aqui, 98 cêntimos ali, até aos 17 cêntimos no Centro de Saúde de Almargem do Bispo. Tudo "fantástico". 

Do cardápio de promessas, além do rigor na "Nova Unidade Hospitalar de Sintra" - 20/30 milhões de euros" (com a insignificante décalage de 10 milhões..) constava a seguir outro grande "Investimento" de 2.083.490.57€ + IVA em freguesia populosa:

"Novo Centro de Saúde de Algueirão Mem Martins" com "início: 2017"

Em nome da verdade deve dizer-se que, neste início de 2018, o local deste "Novo Centro" apresenta as sugestivas imagens que abaixo mostramos sobre a promessa:



Diga-se ainda uma outra promessa, na verdade essa sem prazo fixado para a sua concretização, mas que encheu olho...isso encheu: Hospital de Cascais: 


Então não é que o Hospital continua a chamar-se Hospital de Cascais - Dr. José de Almeida? Então e as Obras de mais um piso? Que se passou durante 1 ano?

Valeu votos? De certeza. à data do print tinha 106 partilhas...quem teria sido?

Realmente os sintrenses continuam a ter pouca sorte, a ficar sempre nas mãos de prometedores de mãos largas, gente que fala de milhões a eito e a jeito.

Lá vamos correndo, IC19 fora até ao Amadora-Sintra, embora já sem oferta de um cafézinho como chegou a ser feito por activistas do Cacém. 

Um Novo Ano que continua no imaginário...no panfletário. 

Sintra não merece ser gerida aos tropeções.