quinta-feira, 27 de julho de 2017

SINTRA: QUANDO "SINTRA NÃO É APENAS A VOLTA DO DUCHE"

A frase "Sintra não é apenas a Volta do Duche", lida em comentário no FB ao nosso artigo de 25 deste mês (por favor clique para rever) ficará na História de Sintra.

No contexto em que foi proferida, transcende a questão política para se tornar num amostra Cultural que não pode ser considerada inócua. Basílio Horta estará grato.

Sendo de um destacado membro - neste e anterior mandato - da Assembleia Municipal, eleito pelo partido agora maioritário, levanta-nos dúvidas históricas.

Provavelmente Afonso Henriques deveria ter conquistado a Cavaleira. D. Fernando II optado por um Palácio na Carregueira. A judiaria de Sintra seria em Vale Mourão.

Agora, com desagrado de meia dúzia de homens cultos, temos de aguentar o Palácio Nacional de Sintra em Sintra, ali a 100 metros da Volta do Duche.

Embora sendo palavras proferidas a título pessoal, não podem desprezar-se como pensamento também político, pois de um debate político se trata.

Transporta-nos para outra visão, incompatível com os objectivos do Poder Local Democrático que pretende o desenvolvimento equilibrado do território. 

Nesta perspectiva, o comentário mais parece ser a apologia do castigo às zonas menos populosas, virando-se para grandes núcleos com um populismo inaceitável.

Infelizmente, receamos que seja a cara visível da política de gabinetes, a opinião que mais altos responsáveis terão mas que precisam de porta-vozes acessórios.

No quarto ano do mandato de Basílio Horta, justifica-se o nojo da Rua dos Arcos?  

Tal como, a 50 metros do Palácio Nacional, os visitantes, sentados numa esplanada, se sintam a viver um Centro Histórico da Unesco com panoramas destes?

Sintra, no local mais nobre do Centro Histórico da Unesco. #É este o caminho"?

Ou, mais acima, apreciando a Fonte da Pipa, tão histórica, tenham este enquadramento que - estamos convictos - envergonha qualquer amante de Sintra?

Sintra, na Fonte da Pipa, Centro Histórico da Unesco. Gostarão os políticos?

Este vídeo do Parque da Liberdade (de 21.7.2017), situado entre a Volta do Duche e o Palácio de Valenças (onde é a Assembleia Municipal) ajudará a perceber o que o Dr. Basílio Horta e alguns apoiantes querem dizer com #É este o caminho".  

(endereço do vídeohttps://youtu.be/YLkadzBCU70) 

Os verdadeiros Sintrenses ficam envergonhados

Desde a primeira edição deste blogue que avisamos os leitores: "Tão sintrense como os que vivem entre Casal de Cambra e Cabo da Roca ou entre São João das Lampas e o Barrunchal. Ser-se sintrense é um estado de espírito de amor a esta terra bafejada por riquezas naturais tantas vezes desrespeitadas".

Sentimos que, em cada dia, temos razão. Estamos envergonhados. 

Quando vemos a má prática dos políticos. Quando lemos que "Sintra não é apenas a Volta do Duche" para justificar o abandono, todos devemos estar atentos.

O Parque da Liberdade é o símbolo do abandono de grande parte do concelho, gerando poupança milhões durante três anos para agora surgirem de supetão nas promessas eleitorais do Dr. Basílio Horta, assentes nas zonas mais populosas.

Não seria mais prudente e politicamente correcto que se reconhecessem estes e outros erros tendo em vista a urgente alteração da imagem oferecida de Sintra?

Agora que NÃO É ESTE O CAMINHO não restam dúvidas.


terça-feira, 25 de julho de 2017

SINTRA: SR. DR. BASÍLIO HORTA, NÃO "#É ESTE O CAMINHO"!!!

video

Finalmente tem um cartaz político. Do lado esquerdo (?!) do rosto de Sua Excelência lemos uma curiosa mensagem: #É este o caminho". Por baixo "para Sintra".

Nos últimos anos, a Sintra-sede, dos Palácios e História, louvada por figuras ilustres, tem passado ao lado de Autarcas eleitos para a defenderem. Que contradição.

Daí não encobrirmos que Sua Excelência (de novo candidato) é Presidente da Câmara e terá de assumir responsabilidades pelo que ocorre no território.

Notamos, sim, que um destino turístico com milhões de visitantes, não justificou que Sua Excelência criasse um Pelouro Exclusivamente vocacionado para o Turismo. 

Os resultados estão à vista...fugindo ao cartaz promocional em curso.  

Tocou-nos. Se fossemos alheios a Sintra, não ligaríamos ao cartaz e à mensagem, empanturrados com os milhões das promessas que tem feito.

Pouco depois de Sua Excelência tomar posse - Em 19 de Dezembro de 2014, a propósito da Estrutura montada no Central, também referimos a Rua dos Arcos (por favor clique para rever), - ainda nos convencíamos da capacidade zeladora.

Agora, perante arrastadas imagens que desconsideram o Centro Histórico de Sintra - julgamos que saberá ser Património da Humanidade pela Unesco - não podemos desligá-las das dificuldades de Sua Excelência em garantir ser este o caminho. 

Como é possível tão degradante imagem de higiene ambiental, de agressão ao que se deve oferecer a visitantes, de ofensa a Sintra e à sua imagem?  

Apontando - aos Sintrenses - "#que é este o caminho", será que Sua Excelência está convicto do que indica, de que estas imagens reflectem a intenção?

Os Sintrenses (em que nos incluímos) que sabem o que é amar Sintra, a sua Vila Histórica, o seu Rico Património a defender, sofrem pelo alheamento a que tem sido votada, com mostras de desleixo que nos envergonham.

Sua Excelência, ao promover, no estrangeiro, Sintra como destino turístico, pretenderá apresentar aos potenciais segmentos turísticos estas agressões ao prestígio de que Sintra tem gozado ao longo de dezenas de anos?

Imagina-se Sua Excelência, ali mesmo à vista da UNESCO, a desfrutar de uma refeição no meio daquele ambiente, com a visão que lhe mostramos?

Sintra, sua História, seu Património e Suas Gentes exigem o maior respeito.

Obviamente que NÃO #É ESTE O CAMINHO".






domingo, 23 de julho de 2017

POLÓNIA, NOSSO CONVITE PARA ESTE DOMINGO

Para os estimados visitantes deste blogue que nos acompanham nas viagens gostaríamos de notar que, depois da visita a Varsóvia (p.favor clique para rever), era indispensável fazermos uma viagem, mesmo rápida, pela Polónia.

A Polónia, cerca de três vezes e meia maior que Portugal, tem muito património da Unesco. É um Povo que ainda hoje luta, uma herança contra invasores, entre eles a Ordem dos Cavaleiros Teutónicos, que chegou a fundar um Estado no Norte do País. 

O nosso trajecto não prevê Gdansk (cidade portuária no Báltico) nem o Castelo de Malbork, mas deixamos aqui algumas imagens como desafio para outra viagem. 

Gdansk - Praça onde há muito comércio
Gdansk - zona ribeirinha
Castelo de Malbork - exterior
Castelo de Malbork - interior 

Renovaremos com uma breve passagem por Varsóvia,  seguindo mais para Sul.

Passeamos no centro de Varsóvia e, na visita ao Palácio Real, iremos rever a escultura de Copérnico, um cidadão polaco, matemático e astrónomo, que criou a teoria do heliocentrismo, provando que a Terra é que anda à volta do Sol.

Copérnico  
Rua no Centro de Varsóvia a caminho do Palácio Real 
Varsóvia, Palácio Real no Parque Lazienki

Varsóvia, o render da guarda junto ao monumento ao soldado desconhecido

Muito perto de Varsóvia, temos o imponente Palácio Wilanów, uma construção típica da Polónia misturada com a tendência da época na Europa. 

Palácio de Wilanów, a grandiosidade de uma época

É altura de caminharmos para o Sul, a caminho de Cracóvia nas margens do Rio Vístula, cujo Centro Histórico é Património Mundial da Unesco desde 1978. 

Antes passaremos pelo Santuário de Czestochowa, local de peregrinações e de fé.

Czestochowa - Imagem do Santuário dedicado à Virgem Negra

Czestochowa - A imagem da Virgem Negra 

Cruzando Katovice chegamos a Auschwitz-Birkenau e - junto dos fornos crematórios - recordaremos as vítimas das perseguições nazis com um minuto de silêncio.

Campo de Concentração de Auschwitz1-Birkenau
Campo de Concentração de Auschwitz2 - Pavilhões 
Campo de Concentração de Auschwitz2 - Camaratas

A nossa viagem está longa e não iremos às Minas de Sal e outras maravilhas que encantam os visitantes. Vamos descer o Rio Dunajec no Parque Nacional Pieniny, uma fantástica viagem em grande velocidade, a caminho de Cracóvia.

Descendo o Rio Dunajec

Chegados a Cracóvia vamos visitar a sua famosa Catedral de Wawell com as sua capelas Vasa e Sigismundo:

Cracóvia, Catedral de Wawell

Cracóvia, Rua de S. Floriano

Cracóvia, a barbacã

Teríamos ainda muito mais para visitar...ficará para uma próxima viagem. Por estarmos perto, não se pode perder a cidade de Zakopane, quase encaixada na Eslováquia.


Em Zakopane diremos adeus à Polónia. Do outro lado chegaríamos rapidamente à tão bela cidade de Lviv na Ucrânia...mas poderá ficar para outra viagem.  

Por hoje, resta-nos uma fraterna despedida e agradecer a Vossa Companhia. 

Com votos de um Bom Domingo.


domingo, 16 de julho de 2017

SINTRA: PÁGINA A NEGRO, SEM BASÍLIO HORTA NA BENFICA TV

Não fizemos censura...nem eliminámos a entrevista dada por Basílio Horta num programa da Benfica TV. Que se passou então? UMA PÁGINA A NEGRO...



Na altura, remetemos para a página do SintraNotícias (que inseria o momento alto da Benfica TV) e, pelo contexto, poderia dar um jeitão à promoção politica.

Ao invés do certamente desejado, Basílio Horta entrou por caminhos escorregadios, momentos quase dramáticos no pós 25 de Abril, fez do benfiquismo familiar uma resenha que deu boa disposição a muita gente e anunciou milhões comprometidos.

Mal preparado para o tempo de antena, depois de anos com alusões negativas à gestão anterior...daria a Fernando Seara - na TV - todo o mérito pelo que ele fez. 

Houve, até, um momento alto: - Aquele das "cunhas" com que Fernando Seara lhe atou uma pedra ao pescoço e deixou sair a frase do "empurrão democrático".

Pressões para a retirada do vídeo?

Pois é verdade...o vídeo incomodava, retirou fôlego aos entertainers dedicados - não ao futuro de Sintra como lhes compete - mas à alusão aos últimos 12 anos passados.

Hoje, com  estupefacção, vemos que no lugar do vídeo que citámos se encontra uma página negra, apenas com uma frase: - "Este vídeo é privado". 

Perdemos um dos momentos mais clarividentes dos políticos que temos.   

Encoberta a verdade, resta perguntar quem terá assumido o papel de zelador? Quem se terá prestado à censura da entrevista publicada?

Algum político? Alguma força? Algum clube? Alguém esquecido da liberdade de imprensa e de que o 25 de Abril foi exactamente para acabar a censura?

Em que gabinete o acto foi decidido? 

24 DE ABRIL NUNCA MAIS. 


Nota: Pedimos desculpa mas somos alheios à impossibilidade de acesso ao vídeo que esteve disponível. 


sábado, 15 de julho de 2017

SINTRA, ALEGRIA PELAS ÁRVORES QUE PLANTAMOS...

Se outro mérito a nossa vida não merecer, pelo menos a alegria pelas árvores que plantamos e pelos filhos que temos. 

Hoje foi a primeira grande colheita...a que nos traz recordações...a que, quer queiramos quer não, nos faz recuar no tempo, na vida, em tanta coisa mais. 

Da pereira carapinheira já aqui falámos há dias (por favor clique para rever) mas é sempre gostoso mostrarmos como ela este ano se carregou de belos frutos. 


Não há - porque não pode haver - fruta mais biológica que a nossa. Desde a primeira hora da plantação (que já leva 20 anos), nunca uma química, a pretexto do que quer que fosse de praga ou doença, foi lançada sobre ela. Até da poluição está livre.

Batida fortemente pelos ventos quase todo o ano, mais fortes nestes últimos dias, muitas peras foram atiradas para cima da rede que à volta dela se colocaram, evitando que os frutos se danifiquem e não possam ser apreciados devidamente.


Hoje foi o nosso primeiro grande dia de recolha da nossa fruta, ficando a árvore ainda carregada delas e que ao longo dos próximos dias serão deliciosamente comidas.

Também a ameixieira deu os seus frutos, num colorido que tanto apreciamos e sabores diferentes de todos os que conhecemos. 

É bom sabermos que, na vida, as nossas árvores nos fazem felizes. 

UM bom fim de semana para todos. 



quinta-feira, 13 de julho de 2017

SINTRA: SR.PRESIDENTE, CONCLUSÕES DO INQUÉRITO AO IMI?

Um apelo ao Senhor Presidente da Câmara Municipal de Sintra

Sem investigação jornalística que sirva Sintra e não vivendo esta página à míngua de receitas com anúncios promocionais,  estamos à vontade para perguntar.

Em 13 de Abril deste ano Sua Excelência anunciou um inquérito sobre o ocorrido (de mal) na cobrança da "majoração" do IMI, levantando expectativas e curiosidade.

Sobre isso, confiantes no rigor prometido, até abordámos o tema nestas páginas (p.f.clique) já que estavam interesses financeiros sérios (colectivos) em jogo.

Desde aí, com uma fidelidade fantástica no acreditar em Sua Excelência, nem um dia teremos falhado o site camarário buscando a notícia "Inquérito do IMI Concluído".

A incerteza - para nós - tornou-se terrível. Passam hoje três meses e, nem é público quem constituiu a equipa do "Inquérito", nem nada se sabe sobre os resultados.

Instalações da antiga Samsung...um proprietário perdoado?

Outro proprietário perdoado?

Corrijam-se erros...cobre-se o que é devido

Sua Excelência tem promovido - obviamente promove-se o que se quer promover...- a imagem da transparência, o virtuosismo nas contas, o dinheirinho poupado...

Na Sessão de Câmara de 27.9.2016 ao ser-lhe notado (Oposição) que "reparasse" nos 170 imóveis identificados em 2013 e 860 em 2015...passando para 8300 em 2016, referiu: "Nessa altura não funcionava isso nem o resto. Agora funciona"!

Ou seja, com o "Agora funciona", Sua Excelência passou do 8 para o 80...para ter de recorrer ao ZERO como forma de resposta aos reclamantes.

Ao recorrer a "anular toda a avaliação e informar a Autoridade Tributária", deixou nos munícipes com espírito ingénuo a convicção de que iria corrigir e cobrar o devido. 

Todavia, o dito por Sua Excelência - nem sempre em forma que des(confunda) - e o escrito no site camarário, levam a supor que nada virá a ser cobrado.

Diz o Ofício 25463 dirigido à Directora Geral da Autoridade Tributária e Aduaneira: - "Por meu despacho, de 18.4.2017, foi determinado dar sem efeito a listagem de prédios referente à majoração de 30% prevista no nº. 8 do artigo 112.º do CIMI (...)"...

...a qual respondeu que "foi removida a majoração da taxa de 30% para prédios degradados"(...)"tendo já sido efectuadas as liquidações correctivas".

Antigo estúdio de TV...outro "bonificado"...

Outro proprietário que só pode agradecer a anulação da majoração...

Quem mais beneficiou com a anulação da majoração do IMI?

Sua Excelência, de inegável rapidez na anulação da majoração, poderia ter fornecido dados de interesse colectivo, pois há justas receitas municipais eliminadas.

Quantas casas de habitação envolvidas na complexidade dos condomínios foram beneficiadas? Seria compreensível um regime de excepção, de compreensão. 

Por outro lado, a quanto monta o benefício para grandes proprietários e empresas abandonadas (à espera de chorudas vendas) com a anulação da majoração? 

Perante reservas na aplicação, a razoabilidade da suspensão não poderá converter-se na abdicação de cobrar o que seja justo e conforme às decisões do Executivo. 

O Presidente da Câmara - se tiver poderes para sozinho anular a "Majoração" - não desejará favorecer os que não cumprem enquanto muitos outros se sacrificam. 

Aguarda-se que Sua Excelência divulgue o resultado do Inquérito à majoração do IMI para sabermos de responsabilidades e prejuízos decorrentes para Sintra.

Seria uma excelente prova da transparência a que frequentemente alude. 


segunda-feira, 10 de julho de 2017

SINTRA: SENHOR PRESIDENTE, PODE FALAR-SE DE OMURA?

A respeitabilidade de uma geminação

Senhor Presidente, devemos confessar a nossa convicção de que Sua Excelência conhecerá os contornos institucionais daquilo que iremos abordar.

Em 22 de Agosto de 1997, uma Senhora Presidente da Câmara onde Sua Excelência agora tem assento, assinou o Acordo de Geminação entre Sintra e Omura.

Estamos certos que, nestes quase quatro anos, já alguém lhe transmitiu, com intuitos formativos e informativos, que no Parque da Liberdade foi plantada uma Flor Iris.

Permitimo-nos mostrar a Sua Excelência o local, por onde ainda não terá tido tempo de passar, mas onde passam muitos sintrenses e visitantes, até japoneses. 

Sem a Flor, sem leitura fácil, sem a Dignidade com que foi estabelecido

Pensámos não reproduzir o texto escrito, deixando que isso fosse feito por melhores personagens, quiçá empenhadas na actualização contínua, mas de eficácia limitada.

Todavia, por respeito aos leitores deste blogue, diremos o que lá consta: 

FLOR IRIS
originária do Japão plantada
neste local por ocasião da
assinatura do Acordo de
geminação entre os municípios 
de Sintra e de Omura

Sintra, 22 de Agosto 1997

No espaço do anterior court de ténis foi instalado o Pavilhão do Japão, com jardim exótico. Havia trabalhadores da Câmara na recepção aos visitantes.
  
Depois de frequentes denúncias, ao menos - parcialmente - desapareceu o lixo 

Sucessivamente o abandono foi tomando conta de ambas as Peças que honraram o Acordo, num tal desleixo que o Pavilhão nos chegou a envergonhar.

Será que Sua Excelência, perante o Acordo estabelecido, já deu instruções para que o mesmo seja devidamente respeitado e recupere o sentido da Geminação?

Na realidade, salvo melhor opinião de quem deve ser responsável pelo respeito devido à Geminação, o que se vê e aqui referimos está totalmente desenquadrado.

Considerando o relacionamento Institucional, até - nós sabemos - a sensibilidade do outro celebrante da Geminação, Senhor Presidente, acabe com imagens destas.

Responsabilize quem é responsável.  

O prestígio de Sintra - e Acordos Celebrados - não pode ser colocado em causa. 


     

segunda-feira, 3 de julho de 2017

SINTRA: HOSPITAL? AFINAL HAVIA OUTRO...A CAMINHO...

Depois de três anos sem feitos que os Sintrenses exultassem e que deram para criar o mealheiro agora usado para muitas promessas, entrámos no mundo da fantasia.

Há dias que se notava a preparação de uma "grande obra" para Basílio Horta se abalançar ao anúncio de voltar a ser candidato a mais um mandato em Sintra.

Dois problemas: - O anúncio de um Hospital Privado na zona de Mem Martins (esse sim, com internamentos) esvaziaria o impacto desejado por Basílio Horta...

...E, para o grupo privado, antes do anúncio, era bom que fosse dito - publicamente - que o "Hospital" travestido de "Proximidade" não teria internamentos a concorrer.

À pressa, marcou-se uma Sessão Extraordinária de Câmara para aprovar o  "Hospital de Proximidade" e de corrida a Assembleia Municipal aprontou-se para o sim.

Em puro eleitoralismo, aplicaram-se quase 30 milhões de euros dos munícipes para o Ministério da Saúde não resolver as necessidades hospitalares dos sintrenses.

Desembrulhou-se um Hospital Ambulatório, iludiu-se sobre "internamentos" que serão, apenas, "camas de convalescença" do Hospital Fernando da Fonseca.

Numa falência elucidativa, Basílio Horta arranjou "400.000 pessoas necessitadas" da nova Unidade de Saúde Ambulatória, como se fosse real meter todos os munícipes.

Perdeu-se no exagero: - Muitos dos actuais "necessitados" de ambulatório e TODOS que careçam de internamento, continuarão utentes do Hospital Fernando da Fonseca.

O Ministro da Saúde obriga-se a estar grato ao dinheiro dos Sintrenses: A "Urgência Básica 2021" aliviará, isso sim, os atendimentos no ambulatório do Hospital Principal.

Temos agora dois Hospitais a caminho...apenas um que o será com internamentos. 

Os Sintrenses continuarão à espera do Hospital Público Completo, para que em situações graves a vida das pessoas não dependa de corridas pelo IC19.

Sintrenses querem um Sintrense

Neste quadro de abundância de milhões, perturbador até, vive-se o período pré-eleitoral, fazendo meditar no que está sucedendo e ficará para a História de Sintra. 

O Partido actualmente maioritário na Câmara Municipal optou pela (re)indigitação de alguém que não é da sua família ideológica e que foi trazido até Sintra.

Quatro respeitáveis Sintrenses, competentes para encabeçar a Lista do Seu Partido, passaram para segundo plano, seguidos de um nome repescado na direita.

Como temos defendido a escolha de Sintrense para Sintra, vamos insistir na "reflexão" que em tempos alguém do PS exigia para esclarecer o eleitorado.

O actual Vice-Presidente da Câmara, que será o responsável político do PS em Sintra,, tem - pelo menos - 5 mandatos de Vereador. 20 anos de conhecimentos...

Que razões invocarão os militantes do PS Sintrense para não o terem escolhido, como politicamente seria esperado, para encabeçar a respectiva Lista?

É uma situação - a nosso ver - incómoda. Caso o PS vença certamente voltará a ocupar o lugar de Vice-Presidente. Mais incómodo será se não ocupar o lugar.

Na hipótese de Basílio Horta (se eleito...) resignar ao cargo, qual dos preteridos pelo PS para cabeça de lista para Presidente será continuador do que está em marcha? 

Esta uma "reflexão" que deve ser esclarecida antes do Acto Eleitoral.

Porque os Sintrenses vão estar atentos...

...E querem um Sintrense a gerir Sintra no caminho do futuro.



domingo, 2 de julho de 2017

SPOKANE E WHITEFISH, NOSSO PASSEIO DE DOMINGO

Como hoje é Domingo, muitos projectos não podem ficar pelo caminho. 

É dia de calor, apetecendo locais frescos e agradáveis. 

A famosa  Space Needle, Torre de Seattle

Depois de chegarmos a Seattle, ali tão perto de Victória (capital da Colúmbia Britânica, no Canadá) rumamos a Spokane, influenciada pelas Montanhas Rochosas.

NO caminho, voltaremos a visitar a cidade dos Estados Unidos que mantém a cultura Bávara: - Leavenworth que aqui já recordámos (por favor clique).

É assim que se respeitam as geminações

Está calor, aproveitamos a manhã e vamos visitar o Jardim Botânico, apreciando maravilhosas flores, incluindo uma variedade enorme de belíssimas rosas:



Ainda em Spokane, aproveitamos para refrescar o corpo antes de partirmos para as Montanhas a caminho do Glacier National Park:

video

Depois de uma razoável caminhada, chegamos à entrada do Gacier National Park onde, veja-se bem este desaforo, existem grandes limitações à circulação de viaturas, devendo os visitantes utilizar os veículos do próprio Parque, movidos s gás propano. 




Depois de paisagens maravilhosas, de pisarmos neve ainda tão branca, temos de regressar a Whitefish para o nosso jantar num rancho com excelente churrasco. 

Antes, para ajudar a nossa vertente cultural, vamos visitar em Wallace um Bordel que se converteu em Museu, podendo ver-se listas de clientes e tabela de preços. 




Com a alma refeita e o corpo cansado, vamos até ao Rancho onde iremos retemperar os esforços com boa carne grelhada, depois de escutarmos música típica.



Sabemos que custa regressar. Em breve propomos um projecto menos cansativo.

Voltamos a Seattle, damos um breve passeio pelo mercado e tomamos o caminho do aeroporto, para voltarmos à realidade da nossa terra. 

Por hoje, com estes ou outros planos, votos de que todos passem um Bom Domingo.

Fraternalmente.